Página 2

Volume 19  Edição 893   1º de dezembro de 2019

DÓLAR  COMERCIAL

Para a pág. 3


Paralelo com o Ibovespa

Atualmente, o gráfico do dólar comercial lembra muito o do Ibovespa,  dolarizado: ambos retratam uma tentativa de rompimento de    uma faixa de resistência,  num topo relevante das respectivas séries,  nos dois casos numa formação de um longo triângulo retângulo que, na posição em que está,  é tipicamente uma formação que precede altas.

Assim, como existe a expectativa de que o   Ibovespa complete a Onda V de alta, indo buscar o topo histórico de 2008,  fica a impressão de que o dólar pode galgar novos patamares acima do nível atual.

São duas visões aparentemente conflitantes:

o topo de 2008 do Ibovespa foi de cerca de 73 mil com o dólar em R$ 1,60 ou mais ou menos 45 mil na série dolarizada.  45 mil a R$ 4,20 são 189 mil,  o que parece  inatingível,  imagine-se 45 mil a R$ 5,00 ou 225 mil...!

A história do Ibovespa, entretanto, mostra altas e baixas espetaculares,  na medida em que o mercado brasileiro sempre se mostrou estreito o suficiente para oscilar fortemente nos casos de excesso de demanda e de oferta, já ocorridos.  O mesmo, de certa forma,  pode ser observado no mercado do dólar,  mas em menores amplitudes para as flutuações.

Vale a pena manter esses fatos anotados, em todo o caso, pois a hipótese não é impossível e pode ser encaixada em vários cenários plausíveis da nossa realidade,  mesmo que com baixa probabilidade.