Volume 19  Edição 875    9 de junho de 2019

Página 3

Últimas verdades, mentiras e boatos da Bolsa

Para a pág. 4

É verdade que  após algum choque com cifras econômicas abaixo do esperado,  especialmente as que comparam     iguais períodos do ano passadon,  a partir de maio muita coisa vai melhorar:  a base de cálculo será o período da greve dos caminhoneiros.

Insisto em que o mercado é sempre voltado para o futuro e essas estatísticas refletem o passado,  mas no curto prazo números ruins sempre trazem pessimismo.

Além disso, está ficando claro que,  apesar da confusão provocada pela mídia, o programa liberal vai sendo implantado aos poucos:  no governo Temer, aprovou-se o teto de gastos e ainda a reforma trabalhista e agora, já foram reduzidos os Ministérios, cancelados milhares de cargos em comissão e já estão passando novos marcos regulatórios para a aviação comercial e para o saneamento.

E,  é claro,  a reforma da Previdência está bem encaminhada.    Não é pouco,  não.




É mentira que, por outro lado,  esteja tudo parado no mundo dos negócios: após pouco mais de ano de negociações ativas, Aliansce Shopping Centers (ALSC3) e Sonae Sierra Brasil anunciaram ontem acordo para a união de seus negócios, na maior operação de fusão deste setor no país nas últimas décadas.

A nova companhia surge como vice-líder em número de

shoppings próprios, área bruta locável e vendas totais de lojistas, em R$ 14,8 bilhões ao ano - nestes critérios, perde para a BrMalls (BRML3). A operação precisa do aval do Cade, órgão de defesa da concorrência.

O novo grupo, Aliansce Sonae Shopping Centers, terá 29 empreendimentos com participação acionária e 11 administrados, somando 40 (mesmo número da BrMalls), com 7 mil lojas e área bruta locável de 1,4 milhão de m2.(Valor)




É verdade que, falando em fusões, o empresário Marcos Molina, principal acionista e presidente do conselho de administração da Marfrig, iniciou nesta semana conversas com potenciais interessados em algumas unidades da companhia, apurou o Valor.

Em meio às negociações com a BRF, mirando uma fusão que criaria a quarta maior empresas de carnes do mundo, com faturamento da ordem de R$ 80 bilhões por ano, Molina estaria em busca de R$ 2 bilhões com as vendas de ativos.   
Paralelamente, afirmam fontes consultadas pela reportagem, Molina também estaria em busca de uma linha de crédito para comprar mais ações após a criação da nova companhia e fortalecer sua posição acionária individual no resultado da fusão. Pelos termos atuais, ele terá 5,5%.
(Valor)

Boato 1:  Um pedido de recuperação judicial da Odebrecht "blindaria" sua posição em Braskem,  hoje ameaçada.
Boato 2:   A decisão do STF sobre estatais seria menos ampla do que se noticiou.               
   -  colhidos na Internet -

           COMUNICADO

   (clique abaixo e divulgue)

A todos os leitores e amigos
do
Verdades e Mentiras da Bolsa


"Há anos acompanho o seu site. Acho-o muito bem elaborado, útil e qualificado. Parabéns. Pode contar com a minha contribuição mensal, conforme sugerido. Segue comprovante da doação ref. março/2013."

"como leitor interessado na continuidade da circulação do V&M fiz transferência no valor de R$120,00 agendada para 04/03, seguindo o valor sugerido de R$10 por mês, considere minha doação para todo o ano de 2013. Torço para que receba as contribuições necessárias para a manutenção da publicação."

"Vale muito mais do que 10,00...(!) .  Acompanho há anos. Ótimo trabalho. Com o tempo, vou quitando minha dívida."