Página 2

Volume 19  Edição 875    9 de junho de 2019

PAPEL&CELULOSE

Para a pág. 3


Em baixa:

As companhias deste setor,  além dos problemas operacionais propriamente ditos,  estiveram sempre envolvidas no equacionamento do seu financiamento,  sendo um setor de capital intensivo.

Na visão do mercado, o setor sempre foi tido como dos favoritos e a Klabin foi  percebida,  nos últimos anos, como a mais dinâmica nessa tarefa,razão pela qual foi uma das líderes no repique da crise de 2008,  cujo topo nominal rapidamente ultrapassou e deixou para trás.    Assim,  sua Onda IV foi muito mais curta que a da maioria do mercado e sua Onda V foi das primeiras a surgir.

A Suzano teve uma evolução mais lenta,  mas sua Onda IV terminou depois da Klabin,  mas 

muito antes do mercado, em meados de 2012,  mesmo que somente agora no final de 2017 tenha superado o topo nominal de 2018.

No atual contexto, a Klabin está bem adiantada na complementação da sub onda V,2 de ajuste e a Suzano,  já plenamente concluída a sua  fusão com a Fíbria (uma operação bem complexa),  parece também já em meio à mesma fase.

Vale a pena acompanhar a evolução das duas para conferir se o conceito do mercado a seu respeito segue o mesmo:   em caso afirmativo,   ambas poderão ser das primeiras a deslanchar na sub onda V,3 de alta,  habitualmente a mais dinâmica dessas sub ondas.

Nesse caso, o ponto ótimo de compra anda bem por perto...