Página 2

Volume 19  Edição 858     10 de fevereiro de 2019

GRANDES  BANCOS

Para a pág. 3


Ajuste à vista

Os Grandes Bancos, que operacionalmente têm cifras parecidas e regulares,  na forma examinada na matéria da capa,  mostram na Bovespa evolução também semelhante,  como mostra o gráfico acima.

Na atual Onda V do Ciclo, o setor foi dos primeiros a superar o topo nominal de 2008 (nem todos conseguiram isso até agora...) e dos poucos a subir bem acima desse ponto,  confirmando o rompimento.

Esta primeira sub onda V,1 já sinaliza um possível e próximo fim para o impulso,   uma vez que estão bem delineadas cinco sub sub ondas em sua expansão,  para os três ativos focalizados.



Outro sinal de uma próxima acomodação é a esticada do índice de força relativa (IRF) a valores máximos;  por outro lado, se em 2016/2017, o IRF ficou batendo em valores altos sem que uma correção maior aparecesse, com a tendência muito forte,  isso é menos provável agora, já numa quinta onda.

O andamento e mesmo o teor das reformas em curso são as incógnitas do momento,  para todo o mercado,  o futuro dependendo das reação dos investidores a tudo isso.

Tecnicamente,  após dois anos de alta, o mercado está sobrecomprado e pronto para uma segunda sub onda V,2 onde lucros seriam realizados,  recolhendo boa parte de tudo que vem sendo precificado por antecipação.