17 de setembro de 2017

VERDADES  E  MENTIRAS  DA  BOLSA

Nesta edição:

©Jayme Ghitnick
2001 a 2016

Volume 17  Edição  793

OS  MERCADOS  E  O  FURACÃO

 

Regras próprias


O recente furacão Harvey que, antes de Irma, José e Katia,  devastou o Golfo do México e o Texas, havia provocado muitas expectativas de que afetaria o mercado do petróleo, pelos danos que provocaria (e provocou...) na gigantesca infraestrutura lá existente para prospecção, produção e refino de petróleo.

Assim, a iminência do início da temporada de furacões causou a alta nos preços de final de junho até o começo de agosto,  mas quando Harvey avançou (2ª quinzena de agosto) e se transformou no pior fenômeno da espécie em 50 anos, com danos graves estimados em mais de US$ 100 bilhões,  o petróleo caiu...

Já em 2005, a região tinha sido assolada pelo furacão Katrina, que prejudicou a produção de petróleo por meses;  também na ocasião, a queda na oferta não impediu uma queda de cerca de 20% nos dois meses seguintes.

Será que os desastres naturais não afetam os mercados ?  Esta pergunta levou o Socionomics Institute a recorrer a uma pesquisa da Universidade da Georgia, que estudou o que ocorreu nos mercados de ações quando ocorreram 177 terremotos relevantes.

Abrangendo 40 anos e 35 países, os pesquisadores Susana Ferreira e Berna Karali não acharam  "qualquer impacto significativo dos terremotos nos índices agregados dos 

'mercados de ações".  Isso convergia para outros estudos (Cutlet, 1989 e Joulin, 2008), que concluíam que mesmo importantes notícias corporativas não tinham efeito relevante nos mercados;  na verdade,  grandes movimentos dos mercados, altas e baixas, tipicamente ocorriam sem ocorrência de noticiário relevante.

Essa é uma das premissas do Princípio das Ondas, de Elliott: o noticiário reflete apenas forças que já estavam em ação nos mercados,  onde ondas de otimismo e pessimismo se alternam e estão no controle.

Especificamente sobre terremotos,  Elliott mencionava no seu livro "A Lei da Natureza" que "apesar do grau de surpresa, é seguro afirmar que estes acontecimentos são descontados muito rapidamente, sem reverter a tendência indicada que estava em vigor antes do evento."

Os mercados, pois,  têm regras próprias.