29  de março de 2020

VERDADES  E  MENTIRAS  DA  BOLSA

Nesta edição:

©Jayme Ghitnick
2001 a 2020

Volume 20  Edição  907

O  CORONAVIRUS  EM  AÇÃO, V

Quarentena ou não:


O assunto da semana, dentro do item principal que é a pandemia do corona vírus, não por razões técnicas ou científicas, mas exclusivamente por politicagem,   foi a quarentena, em si e pelos detalhes da sua imposição à sociedade.


Preliminarmente, deve ser dito que a Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda a medida como um protocolo obrigatório no combate à doença: no Guia a esse respeito, disponível no site da OMS e datado de 19 de março, trata-se minuciosamente da maneira como a medida deve ser processada,  com muito respeito a direitos individuais, mas ressaltando que para prevenir a introdução da doenca a novas áreas ou reduzir a transmissão humano-a-humano em áreas onde o vírus já está circulando

"medidas sanitárias para atingir estes objetivos podem incluir quarentena.......apenas como parte de um pacote compreensivo de medidas".


Mais adiante no Guia,  se comenta que a introdução de quarentena bem cedo pode retardar a introdução da doença em certas   áreas ou o pico corrente da sua transmissão ou ambos;  lembra, porém, que se não implementada corretamente,  pode criar fontes adicionais de contaminação e disseminação da doença.


Ou seja,  não é verdade que a decretação da quarentena garanta a obtenção desses resultados e sua imposição à sociedade não é um  dogma científico,  como alegado por alguns.



Trata-se apenas de uma estratégia viável,  a ser aplicada com extremo cuidado, respeitando os direitos individuais dos cidadãos,  inclusive a  obediência às normas econômicas.


A emergência sanitária não pode ser desculpa para desequilíbrio nas finanças públicas, para sustentar atos demagógicos,  visando encobrir   anos a fio de má gestão pública e corrupção.  Entretanto,  é possível planejar socorro público a diversos setores, de modo a minimizar os danos causados à conjuntura econômica.


Assim,  mesmo em regime presidencialista como é o nosso, os executivos federal, estadual e municipal devem submeter aos respectivos legislativos, para debate, seus Planos de combate a epidemias,  especialmente quanto à quarentena e seus  detalhes, se for considerada necessária,  além do programa de fomento à atividade econômica no que couber.


Não há assuntos cientificamente proibidos...